Lista N — Prosseguir em unidade, preparar o futuro 

I — Os princípios fundadores e a história do spn

Princípios programáticos

No respeito pelos Estatutos do SPN, a Lista N assume os princípios fundamentais aí inscritos, que sempre orientaram a atividade do Sindicato desde a sua fundação, em 1982: “os princípios da liberdade, da democracia, da independência e da unidade, através de um sindicalismo ativo e participado e assente numa conceção ampla do sindicalismo docente”.

Assente na cultura do movimento sindical docente surgido após o 25 de Abril, o SPN, individualmente e no seio da FENPROF, corporiza um projeto sindical que a Lista N assume na íntegra: 

  • um sindicalismo de espetro amplo, reivindicativo de direitos laborais, mas também proponente de ideários, de valores e de projetos educacionais e profissionais; 


  • um sindicalismo progressista, defensor dos valores e conquistas de Abril, em particular do direito a uma educação pública de qualidade para todos, como um direito humano básico e um bem comum;


  • um sindicalismo representativo e plural, ancorado numa forte ligação às escolas, aos educadores, professores e investigadores, e inscrito numa cultura democrática que, incluindo todas as sensibilidades e respetivas posições pessoais, trabalha para a construção dos consensos que, em cada momento, melhor sirvam os docentes, os investigadores e a educação;


  • um sindicalismo combativo e atuante, que procura dinamizar e organizar a luta dos professores do Norte para uma ação sindical consequente, em defesa da melhoria do estatuto e das condições de exercício da profissão;  


  • um sindicalismo livre e independente, como garantia de autonomia face ao Estado, às entidades patronais, aos partidos políticos e a outras organizações, com as posições do SPN a serem definidas com base nas deliberações dos órgãos competentes tomadas democraticamente e de acordo com os Estatutos;


  • um sindicalismo unitário e solidário, empenhado em contribuir com a sua ação, também no âmbito da CGTP-IN, para transformações sociais e políticas que conduzam a um mundo mais justo, mais sustentável, mais pacífico e mais respeitador dos direitos humanos, em que o trabalho seja valorizado como centro da atividade produtiva.